bioclimática - arquitetura

Materiais

MATERIAIS

A escolha dos materiais é uma etapa importante e está diretamente ligada ao tipo de uso do projeto. Porém, sabemos que eles são responsáveis por impactos ambientais gerados não só no local do empreendimento e seu entorno, mas também no local de fabricação e no caminho que ele percorre até chegar ao local da construção.

Por tudo isso, ao optarmos por um material consideramos:

  • √ fatores estéticos;
  • √ relacionamento com a cultural local.

Quando nos referimos aos materiais, englobamos também o que chamamos de sistemas construtivos. Ou seja, a estrutura, paredes internas e externas, forros, caixilhos e telhado.

  • √ qualidade ambiental;
  • √ facilidade de instalação e manutenção;
  • √ fatores econômicos;
  • √ durabilidade e ciclo de vida;
  • √ formalidade do fornecedor;
  • √ composição do material;
  • √ flexibilidade de usos;
  • √ características construtivas;
  • √ proximidade ao local da obra;
  • √ integração ao sistema construtivo;
Água

ÁGUA

A gestão das águas faz parte do processo de planejamento do projeto. O objetivo é torná-lo mais eficiente de acordo com o tipo de uso da construção, sua localização e outras necessidades particulares, para isso avaliamos:

Por tudo isso, ao optarmos por um material consideramos:

  • √ necessidade de consumo de água potável;
  • √ possibilidades de reuso de água;
  • √ possibilidades de armazenamento de água de chuva;
  • √ disponibilidade de abastecimento;
  • √ lagos e piscinas de água natural;
  • √ disponibilidade de tratamento de esgoto;
  • √ drenagem e permeabilidade do solo;
  • √ equipamentos eficientes e de baixo consumo;
  • √ custo benefício de implantação dos equipamentos e sistemas;
  • √ integração dos equipamentos e sistemas ao design do projeto.
Meio ambiente

MEIO AMBIENTE

As questões ambientais são consideradas em diferentes abordagens, porém neste painel daremos ênfase na forma como estudamos o meio para usá-lo de maneira inteligente ao nosso favor, afinal fazemos parte dele.

Por tudo isso, ao optarmos por um material consideramos:

  • √ mitigação ou redução dos impactos negativos para a fauna;
  • √ mitigação ou redução dos impactos negativos para a flora;
  • √ análise de potencial de uso de elementos naturais existentes de forma passiva;
  • √ promoção da biodiversidade local;
  • √ integração do projeto aos ciclos da natureza;
  • √ redução das emissões de gases efeito estufa;
  • √ resiliência às mudanças climáticas.
Pessoas

PESSOAS

Nenhum projeto funcionará de maneira ambientalmente adequada se as pessoas que utilizam esses espaços forem conscientes do que isto significa. Além disso, a alteração ou implantação de novos hábitos devem ir de encontro com a cultura local e proporcionar experiências satisfatórias as expectativas dos usuários. Assim sendo, os fatores abaixo são considerados em nossos projetos:

Por tudo isso, ao optarmos por um material consideramos:

  • √ hábitos, gostos e costumes locais;
  • √ cultura, tradições e patrimônio histórico;
  • √ acessibilidade universal;
  • √ humanização dos espaços;
  • √ gestão política local;
  • √ valorização da economia local;
  • √ usos compartilhados;
  • √ participação colaborativa.
Saúde

SAÚDE

O espaço que estamos interfere diretamente na nossa saúde, seja ele um ambiente fechado ou um lugar aberto. O desempenho do projeto irá interferir se iremos sentir mais ou menos calor dentro ou fora de nossa casa, por exemplo. É papel do arquiteto analisar os alguns fatores para proporcionar ao usuário um ambiente mais adequado possível para as atividades ali desempenhadas.

  • √ acústica;
  • √ desempenho higrotérmico (temperatura e umidade);
  • √ iluminação;
  • √ ergonomia;
  • √ qualidade do ar;
  • √ manutenabilidade;
  • √ relação com o entorno.
Sistemas passivos

SISTEMAS PASSIVOS

Através do estudo do climograma de bem-estar, índices climáticos da região e atividades que serão desempenhadas no local, o arquiteto irá implantar as estratégias passivas possíveis para o projeto. As estratégias passivas são as que não utilizam de energia elétrica para seu funcionamento, muitas vezes estão no próprio design do projeto ou na especificação de um material construtivo.

  • √ ventilação natural;
  • √ isolamento térmico, massa térmica;
  • √ resfriamento por vapor d'água;
  • √ iluminação natural;
  • √ sombreamento, estudo das cartas solares;
  • √ umidificação do ar;
  • √ redução de ofuscamento;
  • √ aquecimento solar por radiação direta.
Energia

ENERGIA

A gestão energética pode ser um ponto de partida para todo o projeto, principalmente quando falamos de edificações. Já os projeto industriais e ambientais o ponto mais importante é o fornecimento e a distribuição.

  • √ fornecimento local de energia;
  • √ potencial de recursos naturais para implantação de sistemas renováveis;
  • √ viabilidade financeira e logística;
  • √ integração dos equipamentos com o design do projeto;
  • √ autonomia dos sistemas alternativos;
  • √ facilidade de manutenção e utilização;
  • √ estudo de redução do consumo energético dos equipamentos.
Espaços públicos

ESPAÇOS PÚBLICOS

Um espaço público pode atingir diversos âmbitos e atender a múltiplas necessidades simultaneamente. Ele pode ser voltado somente para a comunidade do entorno e algumas vezes pode ter uma importância global, como um polo turístico, por exemplo. Independente de sua dimensão e público, na elaboração do projeto buscamos estudar os pontos abaixo:

  • √ mobilidade;
  • √ segurança;
  • √ acessibilidade ao local;
  • √ acústica urbana;
  • √ bem-estar humano;
  • √ qualidade do ar, recursos hídricos e solo;
  • √ flora e fauna local;
  • √ integração, diversidade e flexibilidade de usos;
  • √ manutenabilidade;
  • √ vocação do local, sua potencialidade;
  • √ promoção e valorização do imóveis do entorno.